Rainbow: Jürgen “JR” Blackmore fala sobre seu pai e sobre o Over The Rainbow

Jürgen “JR” Blackmore falou sobre sua carreira, seu pai e sobre o Over The Rainbow em uma recente entrevista com Rockinform Magazine:

Há quanto tempo você toca guitarra? E o que fez você começar a tocar guitarra?

Jürgen R. Blackmore: – Eu comecei a tocar com cerca de 10 anos, mas realmentenão sei lhe dizer por que eu comecei. Foi de repente, da minha cabeça.

Conte-nos um pouco sobre sua vida, quando você começou a tocar guitarra? Você gravou qualquer álbun, single, EP, ou mesmo algo como um músico convidado?

Jürgen:  –  Eu comecei tocando violão em uma escola de música com cerca de 15 crianças em um grupo, mas eu odiava isso, na verdade, porque tocar violão, músicas como “This Land is Your Land” e “House of the Rising Sun”. Então às vezes quando a professora ia pra fora, eu tocava riffs de rock e todas as crianças me perguntavam como tocava, porque não era só eu que estava aborrecido. No ano seguinte, eu deixei a escola e apenas tocava violão em casa. Quando eu tinha uns 20 anos, eu acho, eu comecei a tocar pela primeira vez em uma banda profissional chamado “Iron Angel”, mas não era realmente o meu estilo. Era uma banda de speed metal, e eu gosto mais de musica melodica. Eu deixei depois de um ano e entrei em varias bandas. No final acabei com o “JRBlackmore Group” e gravamos um CD chamado “Still Holding On”. Eu também fiz algumas turnês na Europa. Nesse tempo, também toquei como convidado em “Rei Curly” “Smoke on the water” rap. Era muito engraçado, mas o registro da empresa e as pessoas por detrás do projeto só fez isso porque o meu nome foi Blackmore e eles sabiam que poderiam ganhar dinheiro.

Então …. o único problema era o aspecto comercial da indústria da música. Neste momento eu só fiz coisas de estúdio.Quando a Internet chegou, um monte de fãs fizeram contato comigo e me disse para ir para trás no negócio de música. Este foi o momento eu estava pensando nisso e no final eu disse sim para mim mesmo. Então eu gravei um novo 4 Track EP sob o título “JRBlackmore” com o meu amigo Malte Rathke. Após isto queria iniciar turnê, mas eu recebi um e-mail de uma grande artista feminina de rock, chamada “ELA”. Ela me pediu para tocar em sua canção chamada “Out of Time” , eu ouvi a canção e aceitei”. Ela é uma mulher muito bonita e também tem muito talento.

Qual seu estilo favorito de tocar e porquê?

Jürgen: – O meu estilo é o meu estilo. Penso que é muito diferente do que é popular estes dias, porque todos querem ser rápidos. Eu gosto de tocar mais com a nota cantando …. não apenas que sobrevoam o trastes. Eu me lembro de quando eu estava na casa de Uli John Roth e ele me pediu para tocar apenas uma única nota tocada . Então ele levou o violão e fiz a mesma nota, e isso foi tão diferente que eu não queria tocar guitarra durante cerca de 3 semanas. Fiquei completamente chocado.

Muitas vezes comparam o seu estilo musical com seus pais? Isso te incomoda?

Jürgen: – Oh não …. realmente … a maioria das pessoas sabem que eu toco o meu próprio estilo. Também o meu pai é um herói na Música Mundial, e eu sou apenas um guitarrista que gosta de tocar guitarra e fazer música.

Seu pai é Ritchie Blackmore. Como você se sente sobre isso, sendo ele um lendário guitarrista?

Jürgen: – Ah … bem … foi um momento muito difícil na infância para mim, porque todos estão olhando para você, como se estivesse com algo especial … mas eu era apenas um garoto normal e eu odiava-o Principalmente eu nunca disse a ninguém sobre o meu sobrenome … Eu nunca falava nisso. Mas fofoca viaja rápido no negócio de música …. assim, no final as pessoas encontraram-lo. Estou orgulhoso que o meu pai é um grande guitarrista, mas eu sempre quis apenas um pai normal.

O seu pai lhe da conselhos sobre como levar a sua carreira?

Jürgen: – eu diria, sim e não. Se eu perguntar a ele … ele me diz tudo …. mas eu não gosto de perguntar sempre, então me levo sozinho.

Como foi o seu primeiro contato com o Over The Rainbow ?

Jürgen: – Eu recebi um e-mail e um telefonema de Joe Lynn Turner e Bobby Rondinelli. Disseram-me sobre o projeto e me perguntaram se eu estava interessado.

Quando você viu que iria aceitar a posição de guitarrista do Over The Rainbow?

Jürgen: – Pensei por muito tempo e falei com meu pai, (sim este foi um desses momentos…) daí eu aceitei.

O que aconteceu da primeira vez que ensaiou com a banda? Você foi relaxado, ficou impressionado, preocupado ?

Jürgen: – Ohhh Eu realmente tenho que dizer, não fizemos isso até agora, (talvez estou um pouco preocupado em tocar com esses herois do rock), mas eu sei que vai ser divertido e será ótimo.

O que fez o trabalho com Over The Rainbow interessante para você? Já era um fã do Rainbow?

Jürgen: – Claro que eu gostava, e eu adorava ir para os concertos para ver o meu pai e ouvir as músicas ao vivo.O Rainbow era uma banda incrível ao vivo. Mas esse não foi o ponto de partida para mim, para mim foi interessante o que os fãs disseram. Então, eu estava conversando com muitos fãs e eu descobri que todos queriam ouvir isso, estas grandes canções novamente.  Há tantos fãs no mundo, que pretendem ouvir as músicas do Rainbow.  Eu farei o meu melhor. Também foi muito importante a reunião com Joe. Ele é tão honesto e um cara legal.  Eu realmente gosto muito dele.

Soa interessante que, são quatro membros de três diferentes épocas de Rainbow e naturalmente você. Como é que funciona?

Jürgen: – Ohh, acho que vai funcionar, será fantástico porque posso aprender muito, (risos). Falamos sobre isso no começo que seria o melhor ter uma banda de várias épocas de Rainbow, por isso temos a influência da maior parte da história da banda e também nas canções.

Como é a amizade com os outros?  E o que é como trabalhar com eles?

Jürgen: – Apenas uma palavra: DEMAIS.  É realmente uma atmosfera relaxada.

Como os foram os ensaios ?

Jürgen: –  Estou esperando por isso nas próximas semanas.

Você está tocando guitarra em seu próprio estilo ou você tocar os mesmos temas que o seu pai no Rainbow?

Jürgen: – Eu diria que isso é segredo (risos), veja por si, venha para o concerto e desfrute.

Como você escolhe as músicas para Over The Rainbows para apresentação ao vivo?

Jürgen: – Ah… estamos trabalhando nisso


Quais as faixas que você mais gosta de tocar, e por quê?

Jürgen: –  eu realmente não posso dizer sobre isso, porque existem tantas boas canções. Provavelmente irei encontrar isto quando estarmos em turnê.

O que podemos esperar do Over The Rainbows ao vivo? Está particularmente animado ?

Jürgen: Eu acho que vai ser ótimo, porque todos estão desfrutando este
conceito de digressão como Over The Rainbow e isto é como um espelho no
palco.   Se as coisas funcionarem, estou ansioso para tocar em todo o mundo após a turnê na Russia.

O que os fãs podem esperar desta reunião?  Será que é um one-off para terminar as coisas numa boa? Uma despedida
em que o Rainbow será colocado para descansar, ou é o início de um novo capítulo na história das bandas em que os fãs podem esperar
mais álbuns e turnês?

Jürgen: – Eu acho que vamos ver mais de Over The Rainbow no futuro, mas ninguém pode prever o que está chegando.  No final só os fãs podem dar-nos a direção certa. Gostaria de fazer novas músicas. Também gosto de tocar novas músicas, ver os fãs e meios de comunicação mundiais.
Você plano de escrever e gravar novo material com este line-up? Se sim, o que pode nos dizer sobre os novos caminhos em que você está trabalhando?

Jürgen: –  Como eu disse antes, é em última instância, nas mãos dos fãs. Se eles gostarem, faríamos tudo.

E, finalmente, um recado final.

Jürgen: – Agradeço-lhe pela entrevista. Estou muito feliz e animado para ver todos os fãs que escreveram para mim. Rock n Roll! Rock n Roll!

Anúncios

Informações sobre Tour pela Europa

Nós temos mais datas confirmadas para tour: Deep Purple vai continuar assim durante todo turnê setembro, outubro e novembro. Eles vão começar em ar livre, no meio dos campos de petróleo da Sibéria, e depois vao visitar Israel (onde não tocam desde 1991) e, em seguida, ao largo bullrings, praias e motard fests da Espanha. Em outubro a banda será irá para o leste novamente, desta vez para um grande turnê na Rússia e da Ucrânia, das quais apenas duas datas foram confirmadas até o momento: Moscou e de St.Petersburg. Da Rússia eles vão diretamente para a Alemanha (onde todas as datas foram confirmadas), e terminar com um show na Suíça em 18 de novembro.
por Thyago Postado em Links

Blackmore´s Night: Candice comenta papel em filme

“House Of Eternity” é o primeiro filme no qual você trabalha. O que motivou-lhe a começar a trabalhar em um filme? Trata-se de um interesse recém descoberto ou algo que você já queria fazer há algum tempo?

Candice: “Eu definitivamente tenho a atuação correndo em meu sangue, e desde os quatro anos de idade eu já participava de aulas de teatro pois achava fácil me tornar uma outra pessoa por alguns instantes, mesmo que achando um pouco daquela pessoa dentro de mim mesma. Quando comecei a escrever músicas, percebi que poderia utilizar a mesma técnica e então me transformar em um personagem que entretanto, deve ter sempre algo que siga em paralelo comigo, o que garantirá que eu me expressarei através daquelas palavras também, mas a oferta de um papel neste filme foi realmente uma surpresa maravilhosa para mim”.

Por qual motivo escolheu fazer um filme de terror em sua primeira atuação? Você tem alguma espécie de interesse no gênero?

Candice: “Para ler, eu sou grande fã do gênero do terror psicológico. John Saul é meu autor favorito mas nos filmes às vezes se torna difícil ter o equilíbrio entre te afetar psicologicamente e não ser completamente sobre sangue e ‘gore’ (tipo de filme onde comumente há banhos de sangue). Eu encontrei no roteiro do filme vários aspectos dos personagens. Há verdade, amor profundo e eterno, romance, comédia, etc. Há também raízes em uma história verdadeira em algo que estava acontecendo naquele período do tempo que adiciona uma certa realidade à história. Então o enredo me chamou atenção de várias formas”.

Filmes de terror e rock tendem a ser uma boa mistura. Você também cantará na trilha sonora?

Candice: “Eu encontrei um dos produtores do filme durante uma entrevista para o VH1 há alguns anos. Ele conhecia o tipo de música que nós fazemos no BLACKMORE’S NIGHT e se declarou fã do estilo que funde rock com música renascentista. Quando eu fiz o teste para o filme, coincidentemente eu tinha algumas amostras do meu trabalho solo no carro, então toquei para eles e eles gostaram. É algo mais voltado para o mistério e magia do que um rock direto, então se encaixa perfeitamente no filme”.

A entrevista complete pode ser lida no crushermagazine.com.