Review: Soulfully Live in the City of Angels – Glenn Hughes

“The Voice of Rock!!!!!”. Este é o melhor adjetivo para caracterizar Mr. Hughes. O senhor que nos anos 70 conseguiu a façanha de substituir Roger Glover no Deep Purple, ajudando a inaugurar uma nova era para a banda (junto com David Coverdale e os demais integrantes), que antes integrou o lendário Trapeze, que passou por sérios problemas com drogas nos anos 80, prejudicando inclusive uma participação no Black Sabbath na época divulgando o álbum “Seventh Star”, e que se recuperou fantasticamente, cantando ainda mais do que nos anos 70 e fazendo cd’s de alto nível. Aproveitando toda essa bagagem musical, o mesmo registrou 11 faixas ao vivo no Sound Image Studio na Califórnia e lança este DVD, seguido de um CD duplo. Um grande presente para os fãs, já que Gleen misturou faixas de seu período no Purple, alguma coisa do Trapeze e sua carreira solo.

Para tal empreitada Mr Hughes cercou-se de uma banda de fazer inveja: seu eterno comparsa JJ Marsh na guitarra, George Nastos também na guitarra, Ed Roth nos teclados, Chad Smith (Red Hot Chilli Peppers) na bateria e ainda se deu ao luxo de convidar Kevin Dubrow (Quiet Riot) e Alex Ligertwood para alguns backings.

Este DVD é cercado de vários aspectos interessantes: o primeiro é o fato do local ser um estúdio bem pequeno, com uma platéia reduzida, dando ao show um toque intimista, quase um ensaio com público. O segundo é a decoração do mesmo, com várias velas e uma tapeçaria de primeira, criando um ambiente agradabilíssimo. E o terceiro destoa dos anteriores: a banda está tocando com muito peso. A bateria de Chad é segura e agressiva e os “riffs” de JJ são cortantes. “Can’t Stop the Flood” abre os trabalhos, seguidas por “Higher Place” e a cadenciada “Written All Over Your Face”. Mr Hughes continua cantando como sempre, ou seja, magnificamente.

Veja o review completo no link: whiplash.net

Purple + Jon Lord e Bruce Dickinson juntos

No dia 25 de setembro de 2008 no Sunflower Jam foi uma noite muito especial para família púrpura. Improvisação e música boa foi o que não faltou no show do Purple que teve dois convidados ilustres: o mestre Jon Lord e o vocalista Bruce Dickinson.

Antes do show do Purple a banda da casa que tem músicos de respeito como Licky Moody (ex-Whitesnake) tocou e ao final de seu show apareceu o Bruce para cantar uma versão mais pesada de River Deep Mountain High e With a Little Help From My Friends (Beatles). Após a execução destas músicas, veio o grande momento: Bruce anuncia Jon Lord e eles tocam Walking In The Shadow Of The Blues sob os inconfundíveis acordes do mestre Jon lord. Depois, o líder do Iron Maiden sai do palco com a banda e deixa o seguinte recado: Nós poderemos voltar!

Teve um jantar com uma premiação no local e posteriormente entrou o Deep Purple. O show começa com Pictures of home seguido de Strange Kind of woman, na terceira música que foi Hush quem assumiu os teclados foi Jon Lord em continou para executar Wring that neck. Pôde-se ver Don Airey atrás dos amplificadores assistindo Jon com um grande sorriso na cara e tomando uma cerveja. Depois ele volta e o show segue normalmente. A última música foi Smoke on the water que contou com a presença de Bruce Dickinson. Após a execução a banda agradece as pessoas e desaparece. Depois escuta-se os primeiros acorde dos riff de Black Night e aí já conta com a presença de Jon Lord nos teclados e o Bruce nos vocais. Depois tocam Lucille e encerram o show.

O show contou com mais parte instrumentais do que o planejado porque o Ian Gillan estava com um probleminha na garganta.

Set List

01 Pictures Of Home
02. Strange Kind Of Woman
03. Hush (com Jon Lord)
04. Wring That Neck (com Jon Lord)
05. Mary Long
06. Highway Star
07. Contact Lost
08. Steve Morse Solo
09. Well Dressed Guitar
10. Smoke On The Water (com Bruce Dickinson)
Bis:
11. Black Night (com Jon Lord e Bruce Dickinson)
12. Lucille (com Jon Lord e Bruce Dickinson).

Por enquanto, infelizmente, não há indícios de que este show sairá em DVD.

Muito obrigado Eduardo Pela Colaboração
fonte: thehighwaystar.com

Resenha de Jesus Christ Superstar

Andrew Lloyd Webber & Tim Rice – Jesus Christ Superstar (1973) [Inglaterra]


Andrew Lloyd Webber & Tim Rice
Jesus Christ Superstar
1973
MCA

Faixas:
Primeiro Ato:
01.Overture – 3’58
02.Heaven On Their Minds – 4’22
03.What’s the Buzz/Strange Thing Mystifying – 4’13
04.Everything’s Alright – 5’14
05.This Jesus Must Die – 3’36
06.Hosanna – 2’09
07.Simon Zealotes/Poor Jerusalem – 4’47
08.Pilates Dream – 1’28
09.The Temple – 4’42
10.Everything’s Alright Reprise – 0’30
11.I Don’t Know How to Love Him – 3’39
12.Damned For All Time/Blood Money – 5’09

Segundo Ato:
01.The Last Supper – 7’08
02.Gethsemane – 5’33
03.The Arrest – 3’20
04.Peter’s Denial – 1’28
05.Pilate And Christ – 2’44
06.King Herods Song – 3’02
07.Judas’ Death – 4’15
08.Trial Before Pilate – 5’13
09.Superstar – 4’16
10.Crucifiction – 4’05
11.John Nineteen: Forty-One – 2’08

Elenco:
Carl Anderson — Judas Iscariotes
Ted Neeley — Jesus Cristo
Yvonne Elliman — Maria Madalena
Bob Bingham – Caiafas
Kurt Yaghjian – Ananias
Barry Dennen — Poncio Pilatos
Joshua Mostel – Rei Herodes
Larry Marshall — Simão Zealote
Paul Thomas — Pedro

Músicos:
Procurei por toda a parte e é impossível achar quem tocou no disco.

Informações:

  • SITE OFICIAL
  • SITE ANDREW LLOYD WEBBER
  • SITE TIM RICE
  • YOUTUBE (Dá pra ver o filme todo no You Tube)
  • DOWNLOAD

  • História:
    O musical foi gravado originalmente em 1970 como disco e não como um musical da Broadway.
    Músicas de Andrew Lloyd Webber (de Cats, Evita, O Fantasma Da Ópera e milhares de outros) e letras de Tim Rice é o musical que mais versões tem (eu acho).
    Basicamente esse disco conta a história da última semana da vida de Cristo, porém as letras de cunho social de Tim Rice mesclam o assunto bíblico com a realidade vigente à época, no fim das contas o foco principal é Judas.
    Nunca fui nenhum apaixonado por religião ou por religiosidade (não acredito!) mas da maneira que eles colocaram a coisa toda aqui é apaixonante.
    Muitas informações vocês acham no site mesmo ai em cima.

    Discografia de Andrew Lloyd Webber (sem discos que não interessam):
    1965 – The Likes Of Us – letras: Tim Rice
    1968 – Joseph And The Amazing Technicolor Dreamcoat – letras: Tim Rice
    1970 – Jesus Christ Superstar – letras: Tim Rice
    1973 – Jesus Christ Superstar O.S.T. – letras: Tim Rice
    1976 – Evita – letras: Tim Rice
    1981 – Cats – letras: T. S. Eliot
    1982 – Song & Dance – letras: Don Black
    1984 – Starlight Express – letras: Richard Stilgoe
    1986 – The Phantom Of The Opera – Charles Hart e Richard Stilgoe
    1989 – Aspects Of Love – letras: Don Black e Charles Hart
    1993 – Sunset Boulevard – letras: Don Black e Christopher Hampton
    1996 – By Jeeves – letras: Alan Ayckbourn
    1996 – Whistle Down The Wind – letras: Jim Steinman
    2000 – The Beautiful Game – letras: Ben Elton
    2003 – Tell Me On A Sunday – letras: Don Black
    2004 – The Woman In White – letras: David Zippel

    Resenha:
    Primeiro Ato:
    01.Overture
    Ah, essa guitarrinha… é o tema principal, se acostumem pois ouvirão esse tema muitas vezes durante o disco e de muitas maneiras.
    A coisa mais interessante de todo o disco é a mistura perfeita de orquestra e banda, e que banda, nunca consegui encontrar nenhuma informação sobre a galera que tocou no disco, nem mesmo no meu LP.
    Quase aos dois minutos a mesma melodia que vai aparecer bem mais a frente do disco.

    02.Heaven On Their Minds
    Carl Anderson no papel de Judas, que bárbaro, um dos grandes vocais de todos os tempos.
    E o que é esse Riff? Fico repetindo ele a exaustão no baixo (risos).
    Nessa faixa ele canta toda a preocupação que tem com os rumos que toda a história de Jesus ser o Messias anda causando nas pessoas.
    E a banda investe num tema ora pop/dançante ora todo quebrado que Andrew compôs, e vamos levar em consideração que Andrew é um compositor brilhante.
    Sempre tenho o filme na cabeça quando escuto o disco. No caso dessa música aqui é o link do youtube logo acima, mas lá mesmo vocês conseguem ver o filme todo em capítulos.
    Voltando ao som, no final o vocal improvisado e um piano solando em tempo integral.

    03.What’s the Buzz/Strange Thing Mystifying
    A música vai ‘andando’ e a história vai sendo contada.
    Nesse tema o pessoal que acompanha Cristo fica torrando a paciência do mesmo para saber do futuro e Cristo meio que dá uma dura no pessoal.
    Ted Neeley pegou um papel difícil já que o original foi cantado por Ian Gillan do Deep Purple, mas o vocal do cara é muito bom e em vários momentos lembra bastante.
    Maria Madalena é interpretada por Yvonne Elliman e tem um bom vocal, nessa parte ela fala pro pessoal deixarem Cristo em paz por um momento. E o som vai cresenco até que Ted solta um pelo de trinado sensacional.
    E claro não posso esquecer da magnífica linha de baixo.
    Em Strange Thing Mystifying Judas chega pra ‘estragar a diversão’ já que Maria Madalena é uma prostituta e ele não poderia se deixar envolver.
    Mas Jesus manda um daqueles quem não tiver pecado que atire a primeira pedra e Judas se cala. E ele já solta mais uma pedrada em cima da galera.

    04.Everything’s Alright
    Digamos que essa faixa se salva por ‘culpa’ do instrumental que trabalha se não me engano num 5/4, porque a faixa em si é um tanto fraca. Ela encaixa perfeitamente no círculo da história, mas só toma o rumo certo quando Carl (Judas) começa a cantar, dizendo que as coisas que estão sendo usadas pra Cristo poderiam ajudar aos pobres, enquanto Maria (Yvonne) demonstra uma paixão ‘a mais’ por Cristo.
    Cristo (Ted) gosta de desfazer Judas e a galera dizendo que as pessoas tem que aproveitar o que tem e que não poderiam com pouco ajudar todos os pobres existentes. (Uma verdade!)
    O final é bem legal num clima meio ‘circense’ com todo mundo cantando e dizendo que está tudo bem!

    05.This Jesus Must Die
    Aqui começam os planos contra o Messias.
    É sensacional a idéia de Andrew de colocar cada um dos personagens com um tipo diferente de voz. Caiafas (Bob Bingham) tem uma voz grave de dar medo, arrepia todo e Ananias (Kurt Yaghjian) tem uma voz super aguda (o que dá mais medo ainda). Essa parte é uma das mais legais do disco.
    Aqui a galera trama tudo contra Cristo com medo que ele os tirassem do poder.

    06.Hosanna
    Hosanna, é uma boa canção.
    Logo depois dos padres organizarem o plano a galera junto com Cristo vem em uma passeata de amor e devoção e os Padres discutem e dizem que tudo logo logo vai acabar.
    Cristo diz que de nada adianta tentar calar a multidão, que mesmo se todas as línguas fossem arrancadas as próprias pedras começariam a cantar.

    07.Simon Zealotes/Poor Jerusalem
    Esses metais são tão bacanas.
    Aqui a galera já se reuniu e a louvação começa. A banda é sensacional, piano, guitarra, baixo e bateria em comunhão mais que perfeita.
    O povo (um tanto hipócrita) canta que eles estão com Cristo e que por isso serão salvos.
    Simão (Larry Marshall) canta com propriedade que são milhares aos pés de Cristo pronto para obedecerem e lutarem por ele. E seu vocal é muito bom.
    Em Poor Jerusalem Cristo explica a Simão e a galera que eles não sabem o que o poder é, o que a glória é, que eles não compreendem e que se eles realmente soubessem as coisas que ele sabe as coisas seriam diferentes.
    Uma frase monstro de Tim Rice: Pra conquistar a morte você só tem que morrer!!!!! Tudo isso ao som de um piano gigante.

    08.Pilates Dream
    Poncio Pilatos (Barry Dennen), conta o sonho que teve com um homem que era odiado (Cristo) e que todos colocavam a culpa sobre ele mesmo (Pilatos) por toda a confusão.
    Sensacional a faixa com os violões e o vocal mais que perfeito de Barry.

    09.The Temple
    The Tmple é uma das faixas mais radicais, trata da parte quando Cristo vai ao Templo rezar, na ‘casa de seu pai’, e quando lá chega só o que encontra são vendedores e ambulantes.
    O tema em 7/4 da banda junto aos vocais dos comerciantes é genial.
    O momento de fúria de Cristo tem os vocais de Ted magníficos e cheios de emoção.
    A partir dessa parte a galera (doentes da região) canta sobre seus problemas no mesmo tema 7/4, dizendo pra Cristo que ele deveria curar todos, encurralando Cristo cada vez mais.
    Até o momento que Cristo em um momento de desespero diz que são muitos e que ele é um só, chegando ao desespero de dizer no fim pra o pessoal se curarem sozinhos.

    10.Everything’s Alright – Reprise
    Essa parte mostra a reprise de Everything’s Alright. Maria tomando conta de Cristo.

    11.I Don’t Know How to Love Him
    E ao que tudo indica Maria estava apaixonada por Cristo, mas não como a um irmão e sim homem-mulher.
    O violão no fundo de tudo é bem bacana, a flauta também. A orquestra é outra que abrilhanta a faixa, estranho é que as faixas cantadas por Yvonne são meio ‘fracas’, mas no fim tudo se encaixa no tema.

    12.Damned For All Time/Blood Money
    Essa guitarra é especial, duplicada e com um efeito pra lá de maluco ela dá uma cara diferente, deixa as coisas doidas, e quando as flautas entram então? Só alegria.
    O tema na verdade é Judas indo a Caiafas e, mesmo contrariado, entregando Cristo pra galera. Uma das melhores faixas, e um dos motivos é Carl Anderson.
    Blood Money é a resposta dos Padres e Caiafas dizendo que eles não querem saber de choradeira e com a lábia necessária fazendo a cabeça de Judas até que ele entrega o paradeiro de Cristo.
    Terminando o primeito ato de maneira gloriosa.

    Segundo Ato:
    01.The Last Supper
    Violão dedilhado e todos os apóstolos cantando na Santa Ceia. Um belo sintetizador também dá o ar da graça (literalmente).
    E Cristo puto porque está na cara que logo depois que ele morrer ninguém vai lembrar dele, é aqui que ele revela que um o negará por 3 vezes (no caso Pedro) e que um o trairá (no caso Judas) e é aqui que uma sensacional discussão entre Cristo e Judas começa, Magnífico!
    E a hipocresia dos Apóstolos reina, eles cantam que sempre sonharam em ser Apóstolos e que quando se aposentarem podem escrever os Evangelhos e todos irão lembrar deles pra sempre.

    02.Gethsemane
    Essa faixa é sensacioanl, é a tentação de Cristo. Ele já não tem certeza absoluta se quer continuar com o plano de Deus. Está cansado, amargurado pelo sofrimento.
    É uma briga sem respota com Deus numa interpretação respeitosa de Ted e da sensacional orquestra.
    É bom que as coisas aconteçam antes que Cristo mude de idéia.

    03.The Arrest
    Judas trai Cristo com o beijo.
    Enquanto isso depois de comer como loucos e dormirem enquanto tudo acontece Pedro e os Apóstolos acordam querendo briga, Cristo acalma tudo dizendo que ainda não entende como o Ser Humano gosta de brigar e lutar por tudo.
    Enquanto isso o povo que antes o amava agora está prestes a por a cabeça de Cristo a prêmio.
    É hora de Caiafas e Ananias o conderam por seus ‘crimes’.

    04.Peter’s Denial
    A negação de Pedro (a voz de Paul Thomas lembra a de David Bowie) primeiro a senhora, depois o guarda e depois o velho. Ele nega mesmo as três vezes.
    E Maria ainda se pergunta como ele sabia que era isso mesmo que Pedro faria (depois de tudo os próprio ‘chegados’ de Cristo ainda não acreditam nele).

    05.Pilate And Christ
    É a hora de Cristo enfrentar Pilatos, Cristo praticamente não abre a boca, só esperando o julgamento.
    Pilatos ainda tenta (como seu sonho já havia lhe avisado seria tudo sua culpa) então ele manda Cristo para avaliação do Rei herodes.
    A guitarra que acompanha toda a primeira parte é bem Steve Howe (Yes) bem estranha.

    06.King Herods Song
    Joshua Mostel é Herodes e tem um vocal pra lá de bonito.
    Essa canção é um barato. Um vaudeville louco sque em todo o tempo o rei Herodes duvida de Cristo e é irônico o tempo todo. Enquanto isso Cristo apensa se cala (já estava tudo programado para ele).
    O solo de piano no meio da faixa é um encanto a parte, a faixa é um barato, mas no filme toda a cena é de conotação totalmente gay.

    07.Judas’ Death
    É nesse momento que Judas se arrepende do que fez, não um remorso total de primeira, mas no fim das contas ele sabe que irão culpá-lo pelo que aconteceu.
    O peso só aumenta quando ele vai a Caiafas e o mesmo só o culpa (os ‘políticos’ e sua lábia).
    No desespero Judas vai até o deserto e no mais alto galho de uma solitária árvore se enforca ao entardecer.

    08.Trial Before Pilate
    Cristo volta a presença de Pilatos e Caiafas o deixa nas mãos de Pôncio Pilatos, sabendo usar muito bem as palavras ele manipula a situação para que a culpa não recaia sobre ele, e como Cristo não se defende ele é julgado primeiro a 39 chibatadas. Que magistralmente são interpretadas com um instrumental louco e cheio de improvisos.
    Pilatos tenta novamente conquistar a piedade de Cristo, que ele confesse para que não precisre morrer.
    Enquanto isso a multidão quer de qualquer maneira ver Cristo crucificado.

    09.Superstar
    O tema central de tudo.
    É judas já nmo outro mundo, explicando e se martirizando. Dizendo como Cristo fez tudo errado.
    Com um puta coro e um instrumental gigante, principalmente na linha de baixo.
    Vocês vão ter que acompanhar as letras junto com o arquivo pra entender, elas estão em inglês (original), mas se vocês entrarem no site oficial da peça tem a versão braisleira também traduzida por Vinicius de Moraes e apesar da adaptação está bem fiel a idéia original de Andrew Lloyd.

    10.Crucifiction
    A Crucificação é um momento bem intenso do disco, as almas gozando de Cristo, os pregos martelados, Cristo pedindo perdão a todas essas almas perdidas com a famosa frase: Pai perdoe-os, eles não sabem o que fazem.
    A canção na verdade é uma viagem com um instrumental altamente louco, com pianos jazz e atonais. Junto disso o som do ‘vento’ formado pelas milhares de almas que vagam perdidas sem rumo.
    Muita emoção por aqui.

    11.John Nineteen Forty-One
    O fim não poderia ser melhor, somento a orquestra numa ‘coletânea’ de todas as melodias do disco.
    Um momento de reflexão interna, porque se conseguirmos entender a mensagem do disco a coisa muda de figura.

    Texto, cosiderações e Upload por: Diego ProgShine

    Texto retirado do:

    http://newprogshine.blogspot.com/2007/05/andrew-lloyd-webber-tim-rice-jesus.html